Território, mobilidade e migrações

 

Projectos em Curso

Places and belongings: circular conjugalities between Angola and Portugal

Coordenação: Marzia Grassi

Equipa: Marzia Grassi (P.I.); Jeanne Vivet, Aline Afonso e Tatiana Ferreira

Data: 01/03/2012

Financiamento: Fundação para a Ciência e Tecnologia (PTDC/AFR/119149/2010)

Website: www.placesandbelongings.ics.ul.pt


Sumário: Based on empirical evidence substantiating a recent upturn in migration flows from Portugal to Angola which is twice that going in the other direction, this project examines the belief that labor-driven migration is a phenomenon that runs from developing to developed countries. In fact, we challenge the use and utility of sociological categories connected to the nation-state, and provide support for the alternative, transnational approach (Bash at all, 1994; Guarnizo e Smith 1998) considering it to be more appropriate for understanding the changes imposed on conjugal/partner relationships and lives of the migrants. In the context of contemporary studies of families and transnational lives (Bryceson and Vuorela 2002), we study the emergence of new forms of conjugality among heterosexual couples living apart (one in Portugal, the other in Angola). Considering the importance of gender stratification when the domestic space is transnational rather than shared (Lubkemann 2008), we seek to understand how the construction of masculinity is reformulated in the couple when the man migrates to the other country to find work. The data gathered capture the repercussions of mobility on conjugality as well as the self-perception and representations of those involved of the domestic space – here understood in its physical, affective, and social dimensions. When a conjugal pair separates as a result of the migration of one person, fluid forms of conjugality arise, demanding realignment of gender roles. As few studies have addressed masculinity and migrations between Angola and Portugal, this project fills a gap in the investigation into historic, identity, and symbolic relationships, which since the 16th century have characterized the migrations between these two countries. The "circular" forms of conjugality that are emerging today can also be studied from the point of view of Post-colonial Theory – seen in the continuities and ruptures in Portugal's colonial imagination, the gender-role building, and the migrations between the two countries (Castelo 2007). All of these issues are closely linked to reconstructions of the sense of "home" in the minds of those involved. "Feeling at home" can be construed at several levels: domestic, neighborhood, city, and even country. Besides habitation, which is the first "home sphere" – the most intimate and private, where one actually lives with one's partner – "feeling at home" is something constructed through daily practices in one's city, through the knowledge of and sense of belonging to the urban space, through the building of social networks, and through one's feeling of identification with other groups that exist in the city (Lambony et al 2003). We seek to investigate the process of (re)constructing the "home" in both city of origin and city of destination of the male migrant, as well as the repercussions on the conjugal relationship of the couple, of its representations, and experiences. Regarding the theoretical challenges mentioned above, the methodology employed, too, will be novel. Based on the Simultaneous Matched Samples method (Mazzucato 2008), both quantitative and qualitative features will be used – using two questionnaires (for Portugal and Angola), and 30 detailed interviews in those countries, respectively.

Palavras-chave: transnationalism; Angola/Portugal; conjugality; gender-male


International Migration of Women Footballers: Causes, subjective experiences and consequences in developing and core countries

Coordenação: Nina Clara Tiesler

Equipa: Sine Agergaard (IFI, Uni. Copenhagen), Carmen Rial (Uni. Federal de Santa Catarina)

Data: 2011-2013


Sumário: In the last twenty years, a phenomenon has emerged which is entirely new in the study of gender, migration, women and sport, namely the international migration of female football talent and labour, due to the boom which women’s football (WF) has enjoyed as the fastest growing women’s sport worldwide (Wil2007). Today, while WF is part of a growing number of development projects e.g. in Sub-Saharan African countries (Saa2003, She2010), the structural and socio-cultural conditions differ significantly at international level: the game has experienced growth in economic support, and the organization of professional leagues in the core countries of WF (the pioneering Nordic countries, the USA and more recently a number of Asian countries) (AgBo2010), but is still neglected in other civil societies and excluded from their sport support systems or even forbidden by law (e.g. until 1975 in Brazil, again in 2003 in Niger and Iran). In consequence, migration is in its incipient stages, but with substantially increasing fluxes, mainly from South to North and North to West, and already expanding beyond its traditional geographical limits and assuming globalized characteristics. The percentage of top players who leave the developing countries of WF (which include Europeans ones, e.g. Portugal) is at levels of up to 80% (Tiesler Figures), while migrants constitute up to 50% of players in premier league clubs of the core countries, e.g. Germany, Norway and Sweden (team rosters 2011). That there are high percentages of expatriate players in the top European leagues is well known in male football (PoBe2010). In contrary to their male counterparts, who receive attractive wages, women footballers often receive only the national minimum wage, and lack labour rights and adequate health insurance (AgBo2010). What makes women leave (structural, super-structural, subjective reasons)? How far do motives, experiences and outcomes of migration projects differ between the developing and core countries of WF? Do female football migrants gain long-lasting social capital? Do homophobic and racist approaches play into the recruitment strategies of clubs? Who supports these women and their migration projects? What are the consequences for WF at local, national and global levels? What are the consequences for prevailing civic society models of sport and their inherent gender inequality? Academic research on women’s football (Wil2007, Lis2006, SaaBa2010), on sport and gender (Pfi2010, She2010, Lis2008), and on male football migration (TiCo2008, MaFa2010, AgSo2009, Ria2008) has emerged substantially in the last 15 years, with the first case study on women’s football migration (WFM) by team members AgBo2010; however, a comparative study at international level, which also operates in the sending countries, has no precedent. Relative academic neglect does make a case for scientific research to provide important information to policy makers. These movements also appear before the necessary legal and economic conditions to safeguard WF migrants’ existences have been established (AgBo2010). Professionalization processes in WF are hence still underway (Wil2007); in fact, migrants are often the only (semi-)professional players in many receiving clubs. Risk migration, premature professionalism, short careers and socio-cultural stigma (against women in a male domain who do not fit with dominant concepts of femininity) are often the reality which opens space for policy recommendations about how to improve conditions for WF and its current professionalization process in different national contexts (Policy Reports). While migratory movements are a motor in this process, none of the parties involved (governing bodies FIFA and UEFA, federal/national Football Associations, clubs, players’ labour unions, sport and gender projects in development countries, coaches, clubs and players with migration aspirations) have the minimum basic data upon which to build (Database). This project aims to develop knowledge about the ways in which WFM creates new challenges and opportunities in the sending and receiving countries, not only for women’s football but also for the gender systems and differing civil society models of sport (Book). With comparative historical (structural differences) and quantitative (fluxes) data on 40 (of 168 FIFA-listed) WF countries, as well as qualitative data from case studies in Brazil and Portugal (among the main senders) and Sweden, Germany and the USA (main receivers), the study will contribute conceptually to migration studies: as WF is a field of “gender trouble” (But1990) also marked by homophobia (SFPB1999), our analyses will throw up new issues in debates on mobility decision making, women’s football migration and sport migration (Journal articles).

Objectivos: This project will analyse the causes and consequences of women’s football migration (WFM) and the migration aspirations and outcomes of the main agents involved in the process. It aims to develop knowledge about the ways in which WFM creates new challenges and opportunities in the sending and receiving countries, not only for women’s football (WF) but also for the gender systems and differing civil society models of sport. Relative academic neglect makes a case for scientific research to provide important information on women’s football migration to policy makers. Much movement of women players has appeared before the necessary legal and economic conditions to safeguard migrants’ rights have been established. While one can assume that fluxes will increase parallel to the commercialization and professionalization processes, none of the parties involved have basic data upon which to build.

Palavras-Chave: International Migration, Highly Skilled Women, Women's Football, Gender.

Transnational child-raising arrangements between Angola and Portugal (TCRA’s Project) - Norface Migration

Coordenação: Marzia Grassi

Equipa: Jeanne Vivet; Cláudia Luena Marinho
Data: 2010
Financiamento: A Universidade de Maarstricht coordena o estudo e colabora com a Universidade College Cork, na Irlanda, o ICS da Universidade de Lisboa em Portugal e o Fafo (Institute for Applied International Studies) na Noruega.

 

Sumário: A migração do Sul global para o Norte global está em crescimento apesar das políticas migratórias restritivas no norte tornarem difícil para as famílias se movimentarem em conjunto. Isso faz com que as famílias vivam fisicamente separadas utilizando as suas redes locais e transnacionais para encontrar ou adaptarem novas formas para criar as suas crianças. A pouca informação que existe sobre as formas de criar crianças transnacionais baseia-se em evidências parciais ou de pequena escala que indicam que existem consequências negativas para o desenvolvimento das crianças bem como custos emocionais para elas assim como para os pais. Estes aspectos negativos podem ser compensados pelos efeitos positivos das remessas que constituem o foco da literatura e dos debates sobre migração e desenvolvimento. Apesar destas práticas estarem disseminadas entre África e Europa elas ainda não foram estudadas de forma aprofundada. As principais perguntas de investigação são: -Como é que os cuidados transnacionais às crianças afectam as oportunidades de vida daquelas  que permanecem no país de origem, dos seus pais migrantes e dos seus prestadores de cuidados entre África e Europa? - Como é que os cuidados transnacionais às crianças são afectados pelas leis migratórias e pelas regras de guardas de crianças em África e como é que as escolas nos países africanos são afectadas pelos cuidados transnacionais às crianças? - Como é que os diferentes contextos dos países de origem e de recepção afectam o funcionamento e as repercussões que os cuidados transnacionais às crianças têm nos diferentes actores?Objectivos - Este programa pretende responder a estas questões através de 4 estudos de caso cruzados: Portugal- Angola; Holanda-Angola; Irlanda-Nigéria; Holanda Nigéria. Para além disso, está relacionado com  um programa recentemente financiado pela NWO (Nederlands Organization for Scientific Reserach sobre TRCRAs ( transnational child raising Arrangements on life-chances of children) entre o Ghana e a Holanda. Cada estudo de caso utiliza quer métodos quantitativos quer métodos qualitativos com amostras cruzadas de cuidadores e pais migrantes bem como  estudos institucionais sobre práticas legais na Europa e normas escolares e de guarda às crianças em África. Os projectos estão ligados pelo quadro teórico comum e pela metodologia de forma a consentir a comparação sempre que possível.  O programa  vai contribuir em três importantes áreas sócio- políticas: migração e desenvolvimento; migração e integração; políticas de reagrupamento familiar.Palavras-Chave: Transnational families, Angola, Portugal, foster children

A migração de talentos futebolísticos da África e do Brasil para a Europa: o caso português

Coordenação: Nina Clara Tiesler.

Equipa: Sine Agergaard, Paul Darby, Detlev Claussen, Marcos Alvito.

 

Sumário: A migração de futebolistas para a Europa Ocidental aumentou dramaticamente nas últimas duas décadas, sendo uma grande parte deste fluxo laboral proveniente de África e da América do Sul. Este processo foi extremamente significativo para a indústria futebolística, tanto nos continentes de origem como nos que receberam o influxo de jogadores, com repercussões que vão muito além do desporto e da cultura popular. A importância da migração de talentos futebolísticos foi recentemente reconhecida como um tema importante de investigação académica, não só ao nível internacional como abrangendo uma série de disciplinas académicas, o que resultou no aparecimento de um número crescente de publicações sobre estas questões (Darby 2000; McGovern 2002; Magee & Sugden, 2002; Bale, 2004; Poli, 2006; Darby 2007a, 2007b; Alvito 2007; Darby, Akindes e Kirwin, 2007; Tiesler e Coelho, 2007).Este projecto pretende contribuir com uma análise original, comparativa e de forte base empírica para a área de investigação, actualmente em expansão, dos estudos sobre Migração Internacional e para o seu estado da arte. Nesse sentido, a migração de talentos futebolísticos, da força laboral e de jogadores menores de idade será comparada, respectivamente, com três tipos de migração internacional, nomeadamente: a fuga de cérebros (neste caso "fuga de músculos"), migração laboral e infantil (incluindo o tráfico).Através de estudos no terreno examinaremos várias vias migratórias, nomeadamente: do Brasil para Portugal, Dinamarca e Alemanha; da África Lusófona para Portugal, da África Ocidental para a Dinamarca e Alemanha. Estamos perante rotas muito utilizadas na migração internacional de jogadores de futebol. Para melhorar a nossa compreensão dos factores "de repulsão" e de "atracção" que afectam as decisões dos jogadores de futebol migrantes, este projecto também examina o papel da África do Sul como um canal através do qual os jogadores africanos migram para os países Europeus. Assim, a pergunta que guia a investigação é a seguinte: Quais são as causas e as consequências da migração de futebolistas predominantemente oriundos de países africanos ou sul-americanos para países do Norte, Centro e Sul da Europa? Esta pergunta é sustentada por uma série de questões transversais mais específicas:Causas:Quais são os factores de repulsão que encorajam a saída dos futebolistas migrantes de África e do Brasil à procura de uma carreira profissional na Europa e como é que este movimento é facilitado?Quais são os factores de atracção que levam os futebolistas a migrar para os países europeus escolhidos como estudos de caso no presente projecto?Qual o papel que desempenham as federações desportivas nacionais nos locais de origem dos futebolistas, tais como a federação internacional de futebol, a FIFA, e as confederações continentais de futebol em África, na América do Sul e na Europa, na regulação / governança da migração laboral de futebolistas.Consequências: Quais são as consequências deste processo de migração laboral e de talentos futebolísticos para as indústrias do futebol e para o consumo de futebol, tanto no países de origem como nos países de acolhimento?Como é que os futebolistas migrantes lidam com a transição da América do Sul ou de África para a Europa?De que forma é que as experiências dos futebolistas migrantes variam entre as diferentes sociedades europeias e até que ponto a partilha de um passado colonial (em comparação com os casos em que é inexistente) molda as experiências subjectivas dos futebolistas migrantes?A migração de jogadores de futebol é um tema de investigação importante, uma vez que o futebol é talvez o desporto mais internacional e o que possui a dinâmica económica e política mais poderosa. Por exemplo, os actores principais (os clubes e as federações) e a União Europeia discutiram recentemente se o futebol deveria ser considerado como um caso "especial" e se as regulações que regem questões como o movimentos dos trabalhadores no interior e para a União Europeia e as restrições comerciais deveriam ser aplicadas de forma mais liberal na indústria do futebol.Uma análise da migração laboral de futebolistas provenientes de África e da América do Sul para um conjunto específico de países europeus pode ajudar-nos a compreender de uma forma mais geral as causas, as consequências e as dinâmicas da migração para a Europa. Em particular, pensamos que o projecto irá esclarecer as nossas noções cada vez em maior número e menos claras sobre o significado da emigração e imigração e ajudar-nos a compreender as razões do sucesso e falhanço da integração em diferentes contextos societais.

Objectivos: Este projecto tem como objectivo contribuir com uma análise original, comparativa e de forte base empírica para a área de investigação, actualmente em expansão, dos estudos da Migração Internacional e para o seu estado da arte. Nesse sentido, a migração de talentos futebolísticos, da força laboral e de jogadores menores de idade será comparada, respectivamente, com três tipos de migração internacional: a fuga de cérebros, migração laboral e infantil.Através de estudos no terreno examinaremos várias vias migratórias, nomeadamente: do Brasil para Portugal, Dinamarca e Alemanha; da África Lusófona para Portugal, da África Ocidental para a Dinamarca e Alemanha. Para melhorar a nossa compreensão dos factores "de repulsão" e de "atracção" que afectam as decisões dos jogadores de futebol migrantes, este projecto também examina o papel da África do Sul como um canal através do qual os jogadores africanos migram para os países Europeus.Assim, a pergunta que guia a investigação é a seguinte: Quais são as causas e as consequências da migração de futebolistas predominantemente oriundos de países africanos ou sul-americanos para países do Norte, Centro e Sul da Europa?

Palavras- Chave: Migração de Talento Futebolistico, Africa-Brasil-Europa-Portugal, 4 Equipas de Futebol, Análise Comparativa de 4 Estudos de Caso

 

 

Projectos Terminados:

 

Jovens muçulmanos em Portugal. Religião e cultura, mobilidade e cidadania

Coordenação: Nina Clara Tiesler.

Sumário: Este projecto visa desenvolver o primeiro estudo sobre jovens muçulmanos em Portugal, privilegiando para tal uma perspectiva comparativa com jovens portugueses não-muçulmanos. Os resultados serão interpretados no contexto mais alargado dos estudos sobre jovens muçulmanos e juventude na Europa. Pretende-se determinar a influência tanto do Islão quanto da pertença religiosa nos processos de integração social e socialização política - papel esse que é frequentemente ora negligenciado ora excessivamente enfatizado. Assim, optou-se por estudar dois grupos de jovens muçulmanos sunitas (1. de origem Indiana/ de Moçambique, 2. da Guiné Bissau), a maioria deles cidadãos portugueses. Esta abordagem permite a inclusão não só dos grupos dominantes de muçulmanos em Portugal, mas também das minorias étnicas. A presença muçulmana no Portugal contemporâneo é um fenómeno pós-colonial. À semelhança de outros antigos impérios europeus, em Portugal, a primeira vaga de imigração muçulmana ocorreu antes da descolonização e por propósitos educacionais - no nosso caso de Moçambique: estudantes solteiros do sexo masculino oriundos de famílias sunitas de origem indiana. A partir do final dos anos 50, quando estes estudantes se inscreveram nas faculdades de direito, economia e medicina lisboenses, até hoje, quando centenas de bangladeshis se encontram quotidianamente na praça central do Martim Moniz, a população muçulmana em Portugal tem aumentado progressivamente.A vasta maioria dos cerca de 30-40.000 muçulmanos hoje residentes em Portugal são sunitas que, de algum modo, são parte da Comunidade Islâmica de Lisboa, CIL. Embora a CIL seja uma entidade de referência, actuando como um representante tanto formal quanto informal dos sunitas muçulmanos, a vida da comunidade islâmica em Portugal dificilmente poderá ser entendida como unitária. Devido aos constantes fluxos de migrantes, originários de um número crescente de países e culturas, bem como aos surpreendentes processos de construção e institucionalização comunitária, os muçulmanos em Portugal constituem um fenómeno cada vez mais diverso e dinâmico. Todavia, a integração na sociedade portuguesa, a experiência da migração, a vivência enquanto minoria religiosa (e étnica) numa sociedade europeia e numa comunidade islâmica cultural e etnolinguísticamente diversa, afectam tradições culturais e originam não só auto-percepções fluídas como também novos conceitos de espaço, ‘casa', e pertença. Tais mudanças e percepções são largamente dependentes do estatuto legal (temporário, residência ou cidadania), do acesso ao sistema educacional e ao mercado de trabalho, e também do capital social. Dependem, em suma, da oportunidade de fazer uso da participação política e da mobilidade social. Pertença à comunidade e participação em associações (quer primariamente islâmicas quer não) parecem desempenhar um papel importante nestes processos, o qual carece de um exame mais aprofundado.Debruçando-se sobre a juventude muçulmana, o investigador procura responder à seguinte questão: que função desempenha a religião e o sentimento de pertença comunitário nos processos de integração social (mobilidade social, construção de uma comunidade de pares e convívio/ socialização diária) e socialização política (cidadania activa, participação política, trabalho associativo) entre a "segunda geração" de muçulmanos em Portugal? Adicionalmente, de que modo se reflecte a pertença religiosa nas percepções  étnicas, nacionais ou de pertença europeia (percepções de casa, compromisso sócio-político, novos espaços discursivos, mobilidade) entre os jovens muçulmanos? Será que entre os jovens muçulmanos em Portugal também se encontram as actuais tendências de actividade transnacional evidenciadas entre os muçulmanos na Europa (e noutras partes do mundo)?O projecto destina-se a suprir uma importante lacuna metodológica que permeia a pesquisa sobre muçulmanos em Portugal (e, em parte, também na Europa), designadamente, a ausência de estudos comparativos sobre jovens muçulmanos e não-muçulmanos no contexto de uma sociedade nacional. As atitudes culturais, o eventual compromisso sócio-político e a mobilidade social dos jovens muçulmanos europeus raramente são comparadas com as dos jovens não-muçulmanos (dentro do mesmo espectro de idade, género, classe, nível educacional e origem). Em termos analíticos, esta insuficiência traduz-se frequentemente numa "islamização" excessiva tanto do "objecto de estudo" (os muçulmanos), como do discurso público (e académico). Em suma, quase tudo o que muçulmanos fazem, pensam, afirmam ou negam é amiúde entendido como produto de uma determinação religiosa - o que pode perfeitamente não ser o caso. Consequentemente, aspectos económicos e sociais, de classe, género e nível educacional, o impacto de experiências particulares num contexto histórico específico, assim como semelhanças com não-muçulmanos ou pessoas com uma experiência migratória semelhante são frequentemente negligenciados.

Objectivos: Este projecto pretende desenvolver o primeiro estudo acerca da função que a pertença (ou comunidade) religiosa desempenha nos padrões culturais, na integração social, e nas atitudes em relação à cidadania e mobilidade dos jovens muçulmanos em Portugal. Recorrer-se-á à comparação destes indicadores com dados referentes a jovens portugueses não-muçulmanos, contextualizando os resultados no campo dos estudos sobre jovens muçulmanos e juventude na Europa.Pretende-se, assim, estudar o amadurecimento da chamada 2ª geração, privilegiando uma perspectiva abrangente, em que os jovens são tidos como parte integrante da juventude portuguesa e dos jovens cidadãos portugueses em geral.O nosso objectivo é contrapor a tendência de enfatizar questões de segurança, extremismo religioso e violência, estudando os Jovens Muçulmanos com os mesmos parâmetros e perspectivas inovadoras que são aplicados ao estudo da juventude "mainstream", da qual os muçulmanos em Portugal (e no mundo) fazem certamente parte.



Relatório: Little difference? Young muslims in the contexy of portuguese youth.

Capital social e jovens descendentes dos PALOP em Portugal

Coordenação: Marzia Grassi.

Equipa: Catarina Páscoa; Inês Hasselberg; Tatiana Ferreira.
Financiamento: ICS-UL 429/2006
Data: 2006-2008

 

Sumário: As características das redes de capital social e o papel que desempenham na integração de jovens de origem africana em Portugal serão analisadas em torno dos dados recolhidos com um questionário aplicado a 400 jovens de origem cabo-verdiana e angolana na área da Grande Lisboa. A recolha de dados segue-se a quatro anos de pesquisa, desenvolvida através de entrevistas qualitativas a homens e mulheres de origem cabo-verdiana, em Portugal, Itália e EUA. Foram as entrevistas e a observação directa no meio de comunidades de imigrantes originários dos PALOP em Portugal, realizadas entre 2002 e 2007, que sugeriram a relevância do capital social, como objecto teórico e interpretativo das condições de integração dos imigrantes, no mercado de trabalho e na sociedade portuguesa. A questão do trabalho surge, no projecto migratório dos indivíduos e das suas famílias, como uma questão central, e o terreno sugeriu, que é nas redes de solidariedade étnicas e familiares que se pode encontrar o apoio necessário para favorecer a integração dos indivíduos, em particular dos mais jovens. Esta questão revela-se importante de uma forma particular quando as leis e/ou as dinâmicas económicas do país de acolhimento não garantem aos imigrantes um fácil acesso aos recursos, no mercado de trabalho formal. Quais são, então, as características das redes que se organizam em torno da solidariedade, que permitem aos imigrantes e as suas famílias de levar avante o projecto migratório? Em suma, qual é a natureza do capital social e a sua utilidade, por exemplo, na resolução da questão central, do acesso ao mercado de trabalho, dos jovens de origem africana, em Portugal?Objectivos: O objectivo do projecto é questionar o papel das redes de capital social na integração de jovens de origem africana em Portugal através da comparação dos dados recolhidos por Questionário em duas comunidades originárias dos PALOP.Os dados recolhidos são usados em termos comparativos de forma a facilitar a análise do papel e das características das redes sociais na activação dos mecanismos de ajuda na integração em Portugal. A comparação entre as duas comunidades que partilham a mesma condição de ex-colónias portuguesas, mas que diferem nas dinâmicas culturais e nas condições políticas no período pós-colonial, vai contribuir para o debate teórico sobre a integração dos imigrantes dos PALOP no Portugal contemporâneo.

Palavras- Chave: Social capital; networks; Palop; young people; identities

 

  • Faixa publicitária
  • Faixa publicitária
  • Faixa publicitária

Contacte-nos